sábado, 29 de julho de 2017

Tolos recatados.
Soltos e a salvo.
Feitos de azáfama e sofreguidão.
Insatisfeitos desde o primeiro choro.
Correm para lado nenhum e não param para cumprimentar a sorte de ser feliz no fracasso da fartura.
Frenéticos, não guardam um suspiro para o deslumbramento, não levam uma rosa para o encantamento.
Massificados e aturdidos, são fruto da combustão rápida das trivialidades.
Eternos fracassados sapientes e inconstantes.
Transpiram o veneno que tragam.
São os eternos infelizes, estes gafanhotos de emoção, frágeis e temedores.
Não há mais peste na nova era que a velocidade com que queremos e usamos.

Sem comentários:

Enviar um comentário